Reporteros sin fronteras

Repórteres sem Fronteiras mostra-se preocupada com ataques contra a segurança de jornalistas

Repórteres sem Fronteiras mostra-se preocupada com ataques contra a segurança de jornalistas

Publicado el Martes 2 de noviembre de 2010.
Versión para imprimir de este documento ImprimirEnviar la referencia de este documento por email enviar françaisEnglish

No último dia 28 de Outubro, Repórteres sem Fronteiras escreveu ao Ministro do Interior de Angola, Sebastião José António Martins, para expressar-lhe a sua grande preocupação com a série de violentos ataques recentemente sofridos pelos profissionais dos veículos de comunicação de massa. No lapso de dois meses, um jornalista foi assassinado, outros dois violentamente agredidos e feridos e um quarto, objeto de ameaças.

" Repórteres sem Fronteiras entrevê relação entre esses crimes e o fato de os jornalistas pertencerem a veículos da mídia com posições críticas, senão francamente opostas, ao Governo. A violência desses atos é alarmante. A segurança e a integridade física dos jornalistas estão em perigo e a gravidade dos crimes cometidos contra eles é muito preocupante : todos os profissionais do ramo devem sentir-se ameaçados e viver a angústia de uma agressão iminente e potencialmente fatal ? O medo está a tornar-se coisa comum entre os jornalistas ? », perguntou Jean-François Julliard, secretário geral de Repórteres sem Fronteiras.

" Esses crimes não podem permanecer impunes e os seus autores devem ser detidos e condenados. A nossa esperança repousa, agora, na capacidade dos seus serviços para fazer investigações sérias, aprofundadas e independentes. O que está em jogo é a credibilidade das autoridades e a reputação de Angola.(…) Pedimos-lhe que se apresse em pôr à disposição das forças de polícia os meios necessários para interpelar os culpados nos mais breves prazos ", acrescentou.

No último dia 22 de Outubro, um jornalista da Rádio Despertar, António Manuel Manuel da Silva, conhecido no meio radiofónico pelo pseudónimo de Jojo, foi apunhalado, durante a madrugada, por um indivíduo que, segundo testemunhas, falou no programa do jornalista. Grande sucesso popular, o seu programa teria ironizado o Presidente Eduardo dos Santos.

Um mês antes, no dia 22 de Setembro, Norberto Abias Sateko, repórter da TV Zimbo, tinha sido ferido a tiros. Aos 5 de Setembro, um outro jornalista da Rádio Despertar, Alberto Graves Chakussanga, foi morto, no próprio domicílio, com um tiro nas costas. Para maiores informações

Por fim, o incidente mais recente aconteceu na madrugada do dia 23 ao dia 24 de Outubro últimos, quando o jornalista Rafael Marques foi vítima de uma emboscada. Na estrada para Luanda, um homem armado, vestido com fato de agente de trânsito, deteve-o, dizendo : « É por causa do seu trabalho. Eu estava a esperar por si. Estou a obedecer às ordens de Luanda ». Logo depois, esse agente recebeu uma chamada telefónica que pôs fim à detenção de Marques.

Em 2010, Angola situa-se no 104° lugar da classificação mundial da liberdade de imprensa elaborada por Repórteres sem Fronteiras, mas os factos ocorridos desde o início de Setembro podem fazer o país recuar. Nesse contexo, é necessidade imperiosa que o governo angolano reaja e dê provas do seu compromisso em prol da liberdade dos jornalistas, ao fazer os devidos e indispensáveis esforços para prender os criminosos.

CLASIFICACIÓN MUNDIAL

ENEMIGOS DE INTERNET

FICHA DE PAÍS

close
close
close
Presentación | Contáctenos | CGU